domingo, novembro 22, 2015

Eleições na Argentina: Macri ou Scioli?

Neste domingo 32 milhões de argentinos escolherão seu novo Presidente. As pesquisas mostram vantagem de Macri, do PRO, sobre o peronista Scioli.
Macri teria uma vantagem média de oito pontos. Mas os partidários do PRO não se acomodaram. Continuam atentos, especialmente para a guerra suja que a Argentina pode enfrentar. A possibilidade de fraude em favor de Scioli é algo que preocupa. Urnas impugnadas, cédulas em duplicidade, ameaça a funcionários públicos - tudo isso gera ansiedade. O PRO acredita que se a eleição for limpa, Macri vence. 
O que mais se comenta é o fato de que com a vitória de Scioli ou Macri, o kirchenerismo sai de cena, uma vez que o peronista não era o candidato preferido da Presidente Cristina, que teve que aceitá-lo. Talvez a história não seja bem assim, uma vez que o governo trabalha duro para que Scioli vença. Até a turma do marketing de João Santana, que elegeu Dilma, desembarcou por aqui.
Mesmo enfretando a estratégia do medo, como foi feito no Brasil por Santana, Macri resistiu e pode ser o homem que mudará o curso político da América Latina, se vencer. Julio Sanguinetti, ex-Presidente do Uruguai, escreveu artigo este sábado no La Nación que fala sobre o ocaso do neopopulismo. Neste caso, a Argentina pode apontar uma direção para a região. 
Será importante observar o número de votantes e dos indecisos. Estes estão entre 4-11 pontos. Estima-se que o voto em branco fique em 2,5%. Maior participação em tese ajuda Macri, como vimos no primeiro turno. 
O resultado no momento possui tendência pró-Macri, que está liderança em todas as pesquisas. Mesmo com conversão dos indecisos em favor de Scioli, ainda chegaríamos em uma improvável situação de empate técnico. 
Mas todo cuidado é pouco. Hoje acompanhei a entrega das cédulas e urnas pelos correios da Argentina sob forte proteção policial. A possibilidade de tumultos e possíveis fraudes é acompanhada com atenção, em especial pelo PRO e pela UCR, que também apóia Macri. 
Scioli sabe que a tendência é pró-Macri, difícil de reverter, mas o peronismo tem a máquina, fortes sindicados e capacidade de mobilização. Macri, que para vencer precisava chegar no dia da eleição diante de uma margem confiável, conseguiu. Agora é tomar cuidado para que o pleito seja limpo e seguro.

sexta-feira, abril 17, 2015

Solidão Sem Poder

A porta se fechou. Padilha estava do lado de fora. Lá dentro, ficaram somente eles dois. A popularidade de Dilma flertava de forma perigosa com a ingovernabilidade. Sua base no Congresso, esfacelada. Eduardo Cunha havia colocado o governo no corner. Renan Calheiros reagia de forma precisa a cada trapalhada articulada pela Casa Civil. Lula surgia furioso. Nas ruas, mais de um milhão de pessoas já haviam pedido o pescoço do governo. Não havia saída aparente.

De certa forma o governo acabava ali, cerca de 100 dias depois de recomeçar. “Só me resta você”, disse a Presidente, encarando seu Vice. Foi clara: “Você terá de aceitar a coordenação. Do contrário, o governo poderá não se manter”. Michel Temer encontrava ali uma oportunidade única, mas sem autonomia nada poderia fazer. Colocou na mesa as principais demandas de seu partido. Além disso, nomeações precisavam ser feitas, aliados alocados em postos chave. O segundo escalão ainda clamava por ser ocupado. “Faça o que for necessário”. Naquele momento, Dilma dava carta branca para Temer, uma espécie de renúncia parcial, delegando ao vice toda a articulação política do governo. Ela entregava os anéis para manter os dedos.

Dilma tentava ali dois movimentos. Um claramente marcado pela aflição, na tentativa de fazer seu governo parar de sangrar. O outro, no sentido de tentar rachar a cúpula do PMDB. Se desse errado, perderia o controle da Esplanada para o vice, mas se desse certo, resgataria o poder diante de uma disputa de forças entre os caciques peemedebistas. Do lado de Temer havia também dois lados. Se saísse vitorioso na capacidade de acalmar seu partido, se credenciaria como o grande nome do governo. Se desse errado, seria ele alçado para cargo de Presidente em caso de impeachment. Ele tinha menos a perder. As cartas estavam na mesa.

A coroação de Temer nada mais é do que o ápice do mais bem conduzido processo de contragolpe político da história recente. Depois de se eleger em consórcio com o PMDB, Dilma traiu seus sócios e tentou fazer o partido conhecer a lona, algo de uma inocência política assustadora. Articulada com outros caciques, ela tentou drenar os deputados peemedebistas para outras agremiações, no intuito de transformar o mais poderoso partido do país em mero coadjuvante. A resposta veio de forma cruel. A eleição de Eduardo Cunha foi a primeira demonstração de força. A partir dali o rolo compressor do PMDB começou a esmagar o Planalto sem dó nem piedade. No embate de forças, venceu quem podia mais. O contragolpe fez a Presidente balançar em sua cadeira e sentir o cheiro da fritura do impeachment. A saída foi articular uma renúncia branca e entregar o poder político pleno do governo para o vice, Michel Temer. Dilma saiu vencida.

O PMDB tomou o controle do governo, mas não sem a honrosa ajuda do próprio Planalto, que praticou um festival de trapalhadas políticas como talvez nunca tenha se visto na República. Pela primeira vez o Brasil, que possui uma Constituição parlamentarista dentro de um regime presidencialista, vive uma situação curiosa. A Presidente, sem poderes, despacha no Planalto, enquanto Eduardo Cunha dá expediente na qualidade de Primeiro-Ministro na Presidência da Câmara dos Deputados, impondo sua agenda, derrubando e vetando ministros. No Senado, Renan Calheiros assumiu o controle do show da mesma forma. A coroação de Temer vem dar corpo ao triunvirato peemedebista que passou a comandar o país.

A agenda e a caneta passaram para as mãos do PMDB, que devolveu o golpe que estava sendo articulado contra suas hostes. O mesmo governo que tentou desidratar o sócio, caiu de joelhos diante da musculatura e articulação política de seus caciques. Em suma, o contragolpe peemedebista fez com que a Presidente se rendesse ao partido. Um renúncia branca. Um enredo digno de House of Cards.

Livre do risco do impeachment, Dilma ouviu a porta se fechar. Temer deixava o gabinete presidencial. Ela então olhou pela janela e entendeu que agora era apenas uma coadjuvante. A economia nas mãos de Levy. A política nas mãos de Temer. Em suas mãos restava pouco. Passou a viver, enfim, a solidão sem poder.

quinta-feira, abril 02, 2015

Realidade Paralela

O povo diante do Congresso Nacional vibrava com o derradeiro 336º voto. Uma sensação de alívio e felicidade plena tomava conta daqueles que se aglomeravam na Esplanada dos Ministérios. A multidão comemorava a conquista de um movimento que havia começado meses antes: assim como ocorreu com Collor, a Câmara dos Deputados havia afastado Dilma Rousseff da Presidência da República.

"Chegou a hora", disse Michel Temer, reunido com assessores no Palácio do Jaburu, residência oficial do Vice-Presidente. Ele já tinha uma equipe em mente, além de uma agenda para ser implementada. O advogado, doutor em Direito, Procurador, Presidente da Câmara e Vice-Presidente, tornava-se o 37º Presidente do Brasil.

Michel, logo depois da instauração do processo pelo Senado, já ocupando o terceiro andar do Planalto do Planalto, confidenciou com interlocutores: "É um grande desafio. Governarei para o País. Esta é a missão do PMDB, sempre conduzir a nação nos momentos mais turbulentos" e continuou "Faremos reformas. Colocaremos o Brasil nos trilhos". Seu plano estava traçado. Governaria apenas parte de um mandato, portanto, apesar de ter o tempo contra si, tornou o relógio seu aliado. Não perderia sequer um segundo.

Os maiores colunistas políticos do Brasil falavam em triunvirato: Michel Temer, Renan Calheiros e Eduardo Cunha trabalhavam em sintonia. Não havia mais atritos com o Congresso Nacional e uma sensação de normalidade política voltava a tomar conta de Brasília. "É o retorno do establishment", disse um notório cientista político, que acrescentou: "O sistema tomou para si o poder de volta".

A primeira missão de Temer, ao lado Renan e Cunha, foi a diminuição do número de ministérios. Dos assustadores 39, caíram para 20, como era a proposta do PMDB. O Presidente queria um governo de união nacional, "nos moldes do que realizou Itamar Franco". O Partido dos Trabalhadores, destroçado diante do processo de impeachment de Dilma, foi chamado para compor. Como era esperado, decidiu ficar de fora. Nos bastidores do petismo o PMDB era chamado de traidor e já articulavam um movimento pela volta de Lula.

Além de Kassab, do PSD, que foi mantido frente ao Ministério das Cidades e Armando Monteiro, do PTB, no Desenvolvimento, Michel decidiu manter Joaquim Levy na Fazenda. Mas o Presidente foi além. Uma turma de economistas ligados a Armínio Fraga completou a equipe. Os primeiros sinais foram escutados no exterior. Uma missão do novo governo viajou a Nova York e Washington, selando a volta da credibilidade econômica do país.

Rubens Barbosa, antigo Embaixador em Washington durante os anos de FHC, assumiu as Relações Exteriores, deslocando o eixo da política externa de volta aos patamares tradicionais do Itamaraty, que voltou a ser valorizado. União Européia e Estados Unidos celebraram este movimento. A Casa Branca fez um convite oficial para que Temer encontrasse com Barack Obama ainda antes do final do ano.

Para a pasta da Justiça, desgastada com o escândalo da Lava Jato, Temer trouxe um grande jurista paulista, egresso da Faculdade de Direito do Largo do São Francisco, que o auxilia na tarefa de indicar os novos membros do Supremo. "Cogita-se o nome do juiz Sérgio Moro", confidenciou-me uma fonte ligada ao novo ministro.

Em pouco tempo a inflação começou a ceder, especialmente diante do controle brutal das contas públicas. Os juros começaram a cair, o dólar despencou e o crédito começou a fluir. A classe média voltou a viajar ao exterior. O bolsa família foi mantido. No Congresso há normalidade. O PDT comanda a pasta do Trabalho, PSB ficou o Desenvolvimento Social e até PP e DEM comandam seus ministérios. A base aliada é sólida e eficaz. Nas estatais, Temer buscou nomes do mercado, como Roger Agnelli, que passou ao comando da Petrobrás, e nomes do mesmo quilate escolhidos para o BNDES, Banco do Brasil e Caixa.

Passados dois anos de sua chegada ao Planalto e com enorme popularidade, Michel tornou-se o fiel da balança na sucessão presidencial. O Presidente simplesmente repete: "cumprirei a Constituição e meu mandato. Meu foco é fazer um bom trabalho. O que vier é consequência".

Neste momento toca o despertador. Dilma acorda-se de supetão no Palácio do Alvorada. O ano é 2015. Lá fora, escutam-se grilos e é possível inclusive ouvir o silêncio. Em seu coração um misto de alívio e desespero, na dúvida se aquilo era um sonho, premonição ou pesadelo.

segunda-feira, março 23, 2015

Temporal Político

Brasília. Final de outubro. O sol insistia em brilhar na capital federal. As nuvens tinham ficado para trás juntamente com uma campanha dura e disputada. Agora era hora de curtir o momento, planejar o governo seguinte e olhar para os próximos quatro anos. A batalha estava vencida. As nuvens tinham ficado para trás.

O novo período, entretanto, não anunciava um céu de brigadeiro. A briga por cargos começava a tomar forma e os ajustes, que não poderiam ser implementados durante a campanha, começavam a se impor. Algo precisava ser feito. Recolhida na solidão do poder, ela começava a traçar um intricado caminho. Diante de si o desafio de desviar das nuvens pesadas.

O sol estava pleno no começo do ano quando a faixa presidencial, recolocada em si mesma, repousou em seu corpo. O time escolhido não era o preferido, mas talvez acreditasse que o seu estilo gerencial pudesse dar rumo ao mosaico de forças que agora formava seu ministério. Na capital, o sol se impunha, mas a preocupação era a falta de chuva, especialmente em São Paulo.

Recolhida em uma dieta que lhe afinou a silhueta durante o mês de janeiro, seu ministro da Fazenda promovia o mesmo regime nas contas públicas, chegando inclusive além da gordura, atingindo os direitos trabalhistas. A lipoaspiração, contudo, não chegou na corrupção. O principal combustível da oposição vinha dos reajustes. O cardápio, como sempre, era vasto: energia, gasolina, insumos. Aumento de impostos, reajustes de alíquotas, corte de benefícios. Chovia em São Paulo. O alívio de um lado era preocupação de outro, já que algumas nuvens pesadas começavam a se formar em Brasília.

Na política, o cenário não era animador. Trovões vieram do outro lado da Praça dos Três Poderes quando o Planalto viu seu grande desafeto vencer a eleição para o comando da Câmara dos Deputados. A hostilidade e as trapalhadas palacianas seriam retribuídas. Enquanto isso, uma massa de ar quente se deslocava em avanço contínuo e firme para o Planalto Central. Vinha do Paraná.

No Planalto pairava uma massa de ar frio. Nada estava fora do lugar, mas a meteorologia ensina: o choque entre ambas causa nevoeiro, chuva e queda de temperatura. Foi o que vimos. Uma lista vinda de Curitiba e discutida no principal gabinete da República era o sinal claro disso. Mais uma trapalhada foi gestada com o vazamento de alguns nomes, o que causou ira no parlamento. Veio mais um troco. A terra tremeu e a garoa começou.

Os juros aumentaram, a bolsa despencou, o dólar disparou e os primeiros sinais de trovoadas começaram a ser ouvidos em nossa capital. É preciso lembrar que umidade e ar ascendente nem sempre formam tempestades. Para isso ocorrer, o ar precisa estar instável. No entanto, é exatamente o que começa a se formar hoje em Brasília, uma massa de ar instável e pesada, alimentada por uma economia cambaleante, um governo claudicante e um parlamento ferido.

No intuito de dissipar os relâmpagos, veio um pronunciamento diante da nação. Aquilo que acalmaria o tempo, trouxe ventos fortes que fizeram soar panelas e vaias. Pelo Brasil inteiro tempestades isoladas começaram a surgir. Um clima de instabilidade se disseminou e fortes chuvas de insatisfação popular devem tomar as principais cidades brasileiras no próximo domingo.

O céu de brigadeiro sumiu. Nuvens carregadas chegaram. A tempestade perfeita, a união de uma economia fraca e povo insatisfeito, somadas a uma crise de autoridade moral e governabilidade, começa a se formar, assim como foi visto em 1992. Naquela época, em meio a uma tempestade foi impedido um furacão. Dissipar estas nuvens pesadas é nosso dever. O Brasil mais uma vez está diante de tempos difíceis.

Publicado originalmente em: http://www.brasilpost.com.br/marcio-coimbra/temporal-politico_b_6844572.html

terça-feira, março 03, 2015

EUA: Republicanos preparam-se para a tentativa de retomada da Casa Branca

O salão Potomac começou a encher de uma hora para outra. Jovens entravam com suas camisetas vermelhas e seus cartazes. O vão central, destinado aos fotógrafos, foi pouco a pouco sendo tomado, pois não havia mais lugar para sentar. O público era diferente. Longe das gravatas borboletas, estes jovens eram mais jovens, apaixonados, dedicados e especialmente entusiasmados.

Vinha para o palco uma das sensações da política norte-americana no momento, o senador Rand Paul. Na noite anterior fui convidado para participar de uma reunião informal com ele e seus principais assessores e alguns apoiadores em um bar perto do hotel da convenção. Conversamos. Ele tem um jeito tranquilo, mas convicções fortes. Filho do ex-congressista Ron Paul, que também concorreu ao cargo de Presidente, assim como deve fazer o filho, Rand é um político diferente. Libertário por excelência e talvez por um influência do pai, é um tipo que paira acima de republicanos e democratas. "É aquele raro candidato que pode se transformar em uma força maior do que o partido", me disse o apoiador Allan Stevo, que em 2008 buscou uma cadeira na Câmara por Chicago. "Você também está aqui para trabalhar por Rand?", me perguntou o deputado Randy Weber, que assumiu a cadeira de Ron em Washington, quando o pai da novo fenômeno da política resolveu se aposentar. O clima ali era de entusiasmo completo.

A mesma força surgiu quando no dia seguinte ele entrou no palco de gravata, sem paletó, de calças jeans e mangas arregaçadas. Chegou batendo na regulação do Estado, um dos seus temas prediletos. Apontou contra o Obamacare e disparou: "Os americanos não podem ser obrigados a comprar um plano de saúde do governo". O auditório veio abaixo em aplausos. Logo após emendou mirando nos serviços de inteligência: "O que você fala e as informações que você troca pelo telefone são suas. Não é papel do governo bisbilhotar a sua vida". Os jovens gritavam: "President Paul! President Paul!". Quanto ao terrorismo islâmico, foi enfático: "Não podemos lutar contra o terrorismo esquecendo quem nós somos e os preceitos em que se baseiam esta nação". Foi o único, dentre todos que discursaram, que se preocupou com o fato de que a América não tem se parecido muito com o que os Pais Fundadores (Founding Fathers) imaginaram para o país. Ao final, ovacionado, disse: " Quero manter a Receita Federal (IRS) fora da vida cidadão e mais, vamos equilibrar o orçamento deste país em 5 anos". Como sempre, o auditório aplaudiu com raro entusiasmo.

O público somente lotou o auditório novamente neste dia para receber o ex-Governador da Flórida, Jeb Bush. Com menos entusiasmo, mas também com idéias novas que podem assustar os mais conservadores, Jeb defendeu os imigrantes, seu tema mais sensível, e mostrou que não fugirá do debate. Ele possui um raro conhecimento da máquina pública e como um dos participantes me confidenciou, "ele é o bom Bush". 

Diante do "bom Bush", outros defendem que a política norte-americana não pode estar presa a dois sobrenomes: "Se tivermos uma eleição entre Hillary Clinton e Jeb Bush, nos revezaremos entre duas famílias no poder desde 1992, com exceção do desastre que foi Barack Obama", me disse um dos participantes, que se classifica como "independente, com tendência a votar nos republicanos".

Jeb é realmente diferente de George. Suas idéias são mais transparentes, ele é mais moderado e preparado, logo, sofre com uma resistência maior nos setores mais conservadores do partido, onde seu irmão transitava com mais facilidade. Mesmo assim, entre algumas vaias, quando falou sobre imigração, Jeb conseguiu colher aplausos. Foi um primeiro passo.

Chegada ao final, a CPAC apresentou o resultado de sua pesquisa sobre quem era o seu nome preferido para a corrida presidencial de 2016: Mais uma vez deu Rand Paul, com 26%, seguido de Scott Walker com 21% e Ted Cruz com 12%. Jeb Bush veio em quinto lugar, com 8%, atrás de Ben Carson, com 11%.

Diante do que foi visto durante a cobertura do Diário do Poder (único representante da imprensa brasileira no evento) durante os três dias de conferência, há dentre os republicanos diversas opções de candidatos, dos mais conservadores aos mais libertários, mas uma certeza: depois de oito anos de Barack Obama, este partido não medirá esforços para recuperar a Casa Branca. Este é o caminho natural. Se em 2010 os republicanos retomaram a Câmara e em 2014 foi a vez do Senado, a tendência pode ser a resgate do endereço mais cobiçado de Washington, na avenida Pennsylvania 1600. Resta saber quem será o líder que conduzirá o partido neste processo. Está oficialmente aberta a temporada de apostas.

domingo, março 01, 2015

EUA: Republicanos miram nos Democratas

Muitos confundem a cor branca com paz. A neve que cobriu as imediações do hotel onde os conservadores norte-americanos se encontram nestes dias poderia sugerir este cenário. Mas dentro do salão Potomac, a cor vermelha do cenário se confundia com uma platéia incendiada pelas palavras de políticos que miravam em Obama. O Presidente é um alvo fácil, impopular e sem apoio no Congresso. O partido democrata, um demônio que derrete as esperanças do americanos. Os republicanos, aqueles que podem resgatar os verdadeiros valores de liberdade e segurança nacional. Esta é a mensagem da Conferência de Ação Política Conservadora.

Talvez contagiado pelo calor conservador que emana dos jovens que assistem ao encontro dos republicanos, todos rapazes com os cabelos bem cortados, barbas feitas e moças bem vestidas e perfumadas, o antigo Presidente da Câmara, Newt Gingrich usava uma gravata vermelha. O republicano, que tentou a indicação do partido em 2012, mirou em seu adversário preferido, o ex-Presidente Bill Clinton: "O que podemos esperar de um homem que senta com ditadores no intuito de arrecadar doações de milhões de dólares para sua fundação?". Ele foi além: "É preciso realizar uma auditoria nesta fundação, que gasta com iates, viagens e mansões. Esta fundação precisa mostrar de onde vem cada centavo que arrecada". O alvo certamente não foi Bill, mas Hillary, que deve enfrentar um republicano na corrida presidencial.

O sangue latino também corre nas veias conservadoras. Sentimos isso quando Marco Rubio, de gravata azul, chega no recinto. O salão encheu para ouvir o Senador pela Flórida e uma das grandes esperanças republicanas de resgatar o voto de uma minoria que hoje apóia largamente os democratas. Mas a gravata azul de Rubio não esfriou o local, muito pelo contrário: "A América é excepcional. Nós sabemos e o mundo sabe disso". O público foi ao delírio. Logo depois virou seu discurso para a política externa de Obama: "que trata o aiatolá do Irã melhor do que o Primeiro Ministro de Israel". Os aplausos devem ter sido ouvidos em Tel Aviv. Terminou de forma enfática: "Nossos aliados não confiam em nós. Nossos inimigos não nos temem". Uma clara referência aos europeus e Putin. 

Enquanto Rubio deixava o palco ovacionado, Rick Perry preparava-se para entrar. Se houve um encontro entre ambos nos bastidores, certamente o homem que governou o Texas por 15 anos agradeceu ao jovem Senador. A platéia estava aquecida e a neve e gelo lá de fora talvez já tivessem virado água. "Nós não começamos esta guerra, mas nós vamos terminá-la", vaticinou o texano sobre o terrorismo islâmico. Terminou dizendo que "os melhores dias da América estão logo adiante", fazendo referência ao excepcionalismo norte-americano, mas sempre lembrando que o futuro do país abençoado por Deus está em jogo.

Mas não foi Rubio ou Perry que receberam a maior salva de palmas quando o auditório aplaudia os nomes dos prováveis candidatos presidenciais na voz do âncora conservador de televisão Sean Hannity. A turma preferiu Ted Cruz e Rand Paul, que deve colocar o auditório em combustão ainda hoje.


*Texto é parte integrante da cobertura da CPAC 2015 exclusiva para o Diário do Poder pelo corresponde político Márcio Coimbra.
Publicado originalmente em: http://diariodopoder.com.br/noticia.php?i=27609747648

sexta-feira, fevereiro 27, 2015

EUA: Republicanos apresentam suas credenciais conservadoras

Uma Casa Branca fraca, sem maioria no Congresso e com baixas taxas de popularidade é o sonho de qualquer partido de oposição. Com Obama vivendo esta situação, o partido republicano parte para desenhar as estratégias do lance final: a vitória nas eleições presidenciais de 2016.

Para isso, um dos passos é organizar-se, e a Conferência Anual de Ação Política Conservadora é um desses mecanismos. Para avaliar melhor cada pré-candidato, neste ano a American Conservative Union liberou a estrutura das apresentações. Algumas são praticamente entrevistas, como ocorreu com o Governador de New Jersey, Chris Christie, outros mantiveram o microfone na lapela para circular pelo palco, como o Senador pelo Texas, Ted Cruz, enquanto alguns mantiveram a postura tradicional de falar diante do microfone, como Ben Carson e Sarah Palin.

Scott Walker, Governador de Wisconsin, preferiu chegar ao palco com o microfone preso em sua camisa. De gravata, mas sem paletó e com as mangas arregaçadas, mostrava na atitude aquilo que o levou a vencer três eleições consecutivas em um estado que os republicanos não dominavam desde 1984. Seu discurso é objetivo, claro e sem rodeios. É um conservador e fecha com este eleitorado em todos os aspectos. Apesar de governar Wisconsin, Walker é natural de Iowa, onde ocorrerá a primeira consulta primária. Larga em vantagem naturalmente, mas precisa manter o fôlego. A novidade foi que deixou claro para os bons entendedores que, assim como Chris Christie, entrará na corrida interna para disputar a indicação do partido à Presidência.

O governador de New Jersey é um show à parte. Ele passa todas as semanas por sessões de debates com os eleitores, os chamados "Town hall Meetings", onde a população faz perguntas diretas ao Governador na busca de soluções para as regiões do estado. Ao todo ele já foi sabatinado 128 vezes. O resultado foi uma habilidade incrível em discutir soluções, defender-se e saber responder. Uma grande qualidade para quem enfrentará uma maratona de debates nas primárias.

Enquanto do lado de fora emissoras de rádio transmitiam programas ao vivo, celebridades do mundo conservador comandavam sessões de debates e jovens desfilavam com suas gravatas borboleta, a sensação Sarah Palin subia ao palco. O auditório lotou para ouvir suas palavras. A mesma mulher que coloca fogo, desta vez parecia apagar um incêndio. Os meninos apenas aplaudiram. As meninas não se identificaram. Ficou a sensação de que faltou Sarah Palin ser Sarah Palin.

Uma das inovações deste ano é a abertura de um canal para o público enviar questionamentos. Por meio da #CPACQ no twitter é possível enviar perguntas para cada uma das sessões. Se o modelo não serviu para Sarah Palin despertar sua ácida ironia, foi aproveitado por outros, como Scott Walker, Ted Cruz e até Bobby Jindal, Governador da Louisiana, que apesar do discurso correto, não empolgou os participantes.

Depois de uma primeira rodada completa, com a presença da tropa de choque, chegou a hora do segundo batalhão. Vem por aí nesta sexta-feira nomes como Jeb Bush, Marco Rubio, Rick Perry e Rand Paul, o preferido do público nos dois últimos anos. Para os leitores, fica uma certeza: o adversário de Hillary, aquele que tentará despejar os democratas da Casa Branca, sairá deste leque de nomes que transitam pelos corredores desta conferência.


*Texto é parte integrante da cobertura da CPAC 2015 exclusiva para o Diário do Poder pelo corresponde político Márcio Coimbra.
Publicado originalmente em: http://www.diariodopoder.com.br/noticia.php?i=27546001750

EUA: Conferência Mostra o que Esperar dos Republicanos

As primárias republicanas ainda não começaram. Mas os movimentos nos bastidores são enormes e nada melhor do que uma conferência dos conservadores para apontar tendências. Esta semana os republicanos se encontram ao lado de Washington para a 42ª CPAC. Todos os candidatos e pré-candidatos republicanos que já almejaram ou chegaram até a Casa Branca precisaram passar pelo crivo deste grupo em suas campanhas presidenciais. Este ano não será diferente. O Diário do Poder é o único veículo brasileiro presente com um correspondente político no encontro.

No ano da primária silenciosa, como foi definido o ano de 2015 aqui nos Estados Unidos, a conferência foi aberta por Dr. Ben Carson, um neurocirurgião conservador que ascendeu de forma consistente na constelação republicana. Mas o show não parou por aí. Embalados por uma atmosfera de espetáculo com entradas triunfais sob músicas que vão de Bon Jovi, passando por Metallica até Kate Perry, a conferência ainda recebeu na primeira manhã o Governador moderado de New Jersey, Chris Christie, um mestre na arte da comunicação política, e o combativo senador conservador Ted Cruz, do Texas.

A estrela do momento, aquele que aparece em primeiro lugar nas pesquisas, o Governador de Wisconsin, Scott Walker faz parte do trio que fechará o show da tarde, ao lado de Bobby Jindal, Governador da Louisiana e daquela republicana que sempre coloca o auditório em combustão, Sarah Palin. Para Walker, será a grande chance de mostrar a que veio. Eleito em um estado tradicionalmente democrata, enfrentou um recall e uma reeleição. Venceu todas. O Governador não terminou a faculdade e possui uma rara qualidade de comunicação direta com o eleitor. Ao contrário dele, o outro Governador que subirá ao palco, da Louisiana, Bobby Jindal, já é considerado uma estrela descendente. Tentará incendiar a platéia para se manter como uma alternativa viável. Por fim, teremos Sarah Palin. Bem, não existe outro político que saiba mobilizar tanto uma platéia conservadora quanto ela.

E tudo isso acontece enquanto a nova temporada do seriado "House of Cards" é lançada. É a volta de Frank Underwood, um político impiedoso, ambicioso e perigoso, um membro do Partido Democrata. A exata tradução do que os conservadores pensam de Obama. Não seria mera coincidência.


*Texto é parte integrante da cobertura da CPAC 2015 exclusiva para o Diário do Poder pelo corresponde político Márcio Coimbra.
Publicado originalmente em: http://www.diariodopoder.com.br/noticia.php?i=27499358410