segunda-feira, abril 07, 2014

Joaquim fora da disputa

O fato político mais importante do ano, até o momento, ocorreu na semana passada. Chegado o prazo para deixar o Supremo e concorrer nas eleições presidenciais, Joaquim Barbosa preferiu manter-se no cargo de ministro. Apesar do Presidente do STF ter dito que não deixaria sua posição para se candidatar, por vezes emitiu sinais dúbios, e o mais indicado seria esperar pelo fato.

As manifestações do último ano deixaram claro uma coisa: o eleitorado busca algo novo. Dois nomes despontaram nas pesquisas: Marina Silva e Joaquim Barbosa. Ambos foram os grandes beneficiados pela sucessão de protestos que tomou conta das ruas do Brasil. O Presidente do Supremo decidiu tirar seu time de campo e apostar em uma eventual candidatura em quatro anos. Se possui aspirações políticas, cometeu um erro. Vencer um pleito presidencial passa pelo momento e Joaquim estava vivendo o seu. Dificilmente chegará ao Planalto depois deste ano.

Se de um lado Joaquim perde o timing perfeito para buscar a cadeira de Presidente, do outro, sabemos que ele enfrentaria uma campanha dura. Os ataques já haviam começado e diante do temperamento de Joaquim, talvez sua falta de malícia em lidar com a política, sua maior fortaleza, poderia se transformar em sua maior fraqueza em uma campanha. Lembramos bem de como Ciro Gomes empinava em 2002 quando seu temperamento fez desmoronar sua candidatura em poucas semanas.

O eleitorado busca um Joaquim Barbosa. Na falta de sua apresentação para o jogo, procurará outro nome. Marina Silva na condição de vice, não consegue transferir votos para Eduardo Campos, que segue com a mesma rejeição de Aécio e Dilma. Existe um espaço para o novo. Existem dois nomes apontados pelas pesquisas, Joaquim e Marina, mas nenhum deles aparece como candidato neste ano.

Na falta de um nome novo, a tendência é de reeleição de Dilma, mesmo com as pesquisas evidenciando uma certa fraqueza momentânea. A política esperou por Joaquim até o último minuto, mas o ministro que preferiu a toga e adiou sua eventual entrada no ringue, pode ter desperdiçado sua maior, e até mesmo única, oportunidade de chegar ao Planalto.

Um comentário:

Juarez Júnior disse...

Como sempre, suas postagens elucidam muito do que há de mais importante no cenário político atual. E ouso acrescentar uma observação: - Se o momento de Barbosa realmente passar e ele não for eleito quando sair do judiciário é mais por fraqueza intelectual do povo brasileiro do que por inabilidade do Ministro.